Seis cidades da fronteira estão sem mortes por Covid-19 há mais de 60 dias

Municípios participaram de vacinação em massa em junho e mais da metade está sem mortes há mais de 30 dias

| CORREIO DO ESTADO / RAFAELA MOREIRA


Após mais de dois meses do fim da vacinação em massa na fronteira de Mato Grosso do Sul, a imunização continua a mostrar efeitos nos municípios. 

Das 13 cidades contempladas na pesquisa, seis não registram óbitos há mais de 60 dias por Covid-19.  

De acordo com levantamento realizado pelo Correio do Estado, algumas cidades que dividiram as 165,5 mil doses da Janssen e que participam da vacinação em massa não registram óbitos em decorrência do vírus há mais de 33 dias. 

Alguns municípios, é o caso de Sete Quedas, Paranhos, Japorã, Antônio João, Caracol e Porto Murtinho, zeraram as mortes pelo coronavírus há, pelo menos, 63 dias.

Para o médico infectologista Julio Croda, pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), responsável pelo estudo no Estado, os dados são reflexo da eficácia da vacina e da importância da pesquisa.

“A cobertura vacinal dessas cidades está bem acima de 90%, e isso reflete nos indicadores de hospitalização e número de óbitos. Esses índices são resultados da eficácia da vacinação', apontou Croda.  

Ao todo, foram 13 cidades da fronteira com Paraguai e Bolívia que fizeram parte do projeto Vebra Covid-19, que avaliou o impacto da vacinação em massa a partir da dose única da Janssen.

A cidade com registro de morte há mais tempo é Japorã, onde o último óbito foi há 85 dias, em 19 de junho. 

Desde o início da pandemia, a cidade registrou nove mortes em decorrência da doença, a maioria de pessoas idosas que tinham comorbidades.

“A pesquisa depois de um mês já tinha mostrado reflexos positivos, e isso deve permanecer, o que só reafirma como a vacina da Janssen funciona para os alvos que participaram e previne os casos de hospitalização e óbitos', destacou Julio Croda.  

Conforme o secretário de Saúde de Mundo Novo, Fábio Roberto Dias, o município não registra óbitos por Covid-19 há 34 dias. 

A última morte aconteceu no dia 11 de agosto, o que, segundo ele, se deve ao avanço da vacinação e ao estudo realizado na cidade.

“A vacinação e a pesquisa foram cruciais para termos a diminuição no número de mortes registradas na nossa cidade, estamos caminhando para a volta à normalidade. A população muito contribuiu para esse momento, além disso, faz mais de um mês que não há internação em Mundo Novo', avaliou.  

Entre os municípios que participaram da pesquisa, a cidade de Corumbá foi a última que registrou mortes em decorrência do vírus. 

No dia 11 de setembro, uma menina de apenas 6 anos foi a óbito por Covid-19. Ela estava internada desde o dia 29 de agosto, por complicações da doença, e não resistiu.  

Os 13 municípios fronteiriços que participaram da pesquisa foram : Corumbá, Ladário, Porto Murtinho, Caracol, Bela Vista, Antônio João, Ponta Porã, Aral Moreira, Coronel Sapucaia, Paranhos, Sete Quedas, Japorã e Mundo Novo.

Estudo

A vacina americana da Janssen é de aplicação única e foi utilizada para estudo epidemiológico. 

Produzido pelo grupo Johnson & Johnson, esse imunobiológico de dose única possui eficácia de 85% para casos graves de Covid-19 e proteção completa contra hospitalização e morte pela doença.

Nos municípios que fizeram parte da pesquisa, todos os habitantes acima de 18 anos que ainda não tinham sido vacinados com outros imunizantes receberam a dose da Janssen. 

O estudo tem como objetivo monitorar o impacto da vacina na imunidade coletiva.  

A pesquisa é semelhante à que já foi feita nos municípios de Serrana e Botucatu, ambos em São Paulo, e tem como objetivo analisar o impacto da vacinação em massa em pessoas entre 18 e 50 anos.

Prosseguir

Mais da metade dos municípios que participaram da vacinação em massa foram classificados na bandeira amarela, ou seja, apresentam grau tolerável de risco, conforme o bandeiramento realizado pelo comitê gestor do Programa de Saúde e Segurança na Economia (Prosseguir).  

De acordo com o último levantamento, 30 municípios de Mato Grosso do Sul estão na bandeira amarela, e, entre eles, o número de óbitos registrados por Covid-19 também segue em queda.

A reportagem entrou em contato com as secretarias de Saúde e verificou que mais de 16 cidades não registram mortes há mais de um mês por Covid-19.  

Como exemplo, na cidade de Rio Verde de Mato Grosso o último registro de óbito foi há 61 dias, em 13 de agosto. 

De acordo com o secretário de Saúde do município, Roberto Martins da Silva, também há mais 50 dias não há registro de internações por Covid-19.  

“As coisas estão melhorando, tínhamos uma procura diária de 60 a 70 pacientes no centro de referência que abrimos para atender apenas pessoas com sintomas de Covid-19, agora, temos em média duas [pessoas] procurando atendimento com sintomas gripais. A vacinação fez isso acontecer', destacou.  

Tacuru também está sinalizada na bandeira amarela do Prosseguir e registrou o último óbito no dia 22 de junho, há quase 90 dias, enquanto Rio Brilhante e Itaquiraí contabilizaram a última morte em decorrência do coronavírus no dia 4 de agosto.

Imunização

Com o repasse de doses extras da Janssen e a chegada de novas vacinas, Mato Grosso do Sul é o estado brasileiro onde a vacinação está mais avançada.

Desde o dia 19 de janeiro, Mato Grosso do Sul já aplicou 3.291.117 doses contra a Covid-19, sendo 1.869.233 primeiras doses, 1.158.021 segundas doses e 234.886 doses do imunizante de aplicação única.

O Estado tem 74,9% da população total com a primeira dose ou a dose única de vacina contra a doença. Outros 49,6% já completaram a imunização com as duas aplicações ou com a vacina de dose única.

Quer receber notícias do Site MS NEWS via WhatsApp? Mande uma mensagem com seu nome para (67) 9 9605-4139 e se cadastre gratuitamente!


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE