Clubes de futebol eram obrigados a repassar até 20% dos patrocínios para grupo de Cezário, aponta Gaeco

Miro foi presidente do Misto Esporte Clube. Renunciou ao cago em 2016 e assumiu a vice-presidência da FFMS em setembro do mesmo ano

| THALYA GODOY/MIDIAMAX


Francisco Cezário. (Alicce Rodrigues, Jornal Midiamax)

As investigações do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), que levaram a prisão de Francisco Cezário de Oliveira e de outros seis na Operação Cartão Vermelho, em 21 de maio, mostram que os membros da suposta organização criminosa exigiam que os clubes devolvessem até 20% do valor obtido em patrocínios intermediados pela FFMS (Federação de Futebol de Mato Grosso do Sul). 

Jamiro Rodrigues de Oliveira, conhecido como “Miro” e um dos réus da Operação Cartão Vermelho, descreveu o esquema de recebimento de recursos pela FFMS durante interrogatório. Essa confirmação já teria aparecido nas investigações do Gaeco. 

Miro foi presidente do Misto Esporte Clube. Renunciou ao cago em 2016 e assumiu a vice-presidência da FFMS em setembro do mesmo ano.

Durante o interrogatório, ele explicou que, quando um clube recebia um patrocínio intermediado pela FFMS, era obrigado a negociar uma porcentagem para os membros da suposta organização criminosa. O pagamento ainda era feito por meio de dinheiro em espécie. Nem mesmo times pequenos escapavam da cobrança.

“Quando consegue algum patrocínio para o clube, a pessoa que consegue o patrocínio recebe uma porcentagem do valor. (…) A média geral [do valor recebido] é de 20%, muitas vezes o clube é pequeno, o patrocínio é pequeno, aí os caras chegam num acordo aí 10%, 15%, depende do acordo que for feito clube e patrocinador (…) a maioria é em dinheiro vivo, quando o dinheiro entra na conta do clube o clube saca o dinheiro e passa em dinheiro”, contou na segunda parte do interrogatório.

Liberdade negada As investigações do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado) levaram à prisão preventiva do então presidente da entidade, Francisco Cezário de Oliveira, de 77 anos, e outras seis pessoas, por desvio de mais de R$ 10 milhões da FFMS. 

Após sofrer um princípio de infarto na noite da última quarta-feira (5), a Justiça concedeu liberdade à Cezário, mediante uso de tornozeleira eletrônica. Antes disso, a Justiça tinha negado dois pedidos de soltura.

Assim, os outros seis presos na operação, aproveitaram a liberdade de Cezário para entrar com pedidos de habeas corpus: Aparecido Alves Pereira, Francisco Carlos Pereira, Valdir Alves Pereira, Umberto Alves Pereira – sobrinhos de Cezário -, Marcelo Mitsuo Ezoe Pereira – sobrinho neto de Cezário e filho de Umberto; Rudson Bogarim Barbosa – funcionário da FFMS.

Em decisão, na última sexta-feira (7), a desembargadora da 1ª Câmara Criminal, Elizabete Anache, considerou que a extensão dos efeitos do habeas corpus de Cezário seriam aplicáveis “na hipótese de absoluta igualdade de motivos fático-pessoais, o que não é o caso”. Diante disso, ela negou a concessão da liminar aos seis acusados. 

Réus O presidente afastado da FFMS (Federação de Futebol de Mato Grosso do Sul), Francisco Cezário de Oliveira, 77 anos, e mais 11 pessoas foram denunciadas pelo MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) pelos crimes de integrar organização criminosa, peculato, furto qualificado, falsidade ideológica e lavagem de capitais. Ele está preso desde a deflagração da Operação Cartão Vermelho, no dia 21 de maio.

Outros 11 acusados de integrar o grupo também foram denunciados, confira:

Aparecido Alves Pereira (Cido): árbitro e ex-funcionário da FFMS; integrar organização criminosa, peculato, furto qualificado, falsidade ideológica e lavagem de capitais; Francisco Carlos Pereira (sobrinho de Cezário): integrar organização criminosa e furto qualificado; Marcelo Mitsuo Ezoe Pereira: ex-servidor municipal lotado na secretaria de gestão; integrar organização criminosa, furto qualificado e lavagem de capitais; Umberto Alves Pereira (Beto), apontado como principal operador do esquema: integrar organização criminosa, peculato, furto qualificado, falsidade ideológica e lavagem de capitais; Valdir Alves Pereira (sobrinho de Cezário); integrar organização criminosa e furto qualificado; Rudson Bogarim Barbosa (funcionário da FFMS): integrar organização criminosa, peculato, furto qualificado e falsidade ideológica; Jamiro Rodrigues de Oliveira (Miro): integrar organização criminosa e furto qualificado; Marco Antônio Tavares (Vice-presidente da FFMS e dono da empresa MTavares Eventos): integrar organização criminosa e furto qualificado; Marcos Paulo Abdalla Tavares (filho de Marco Antônio Tavares): furto qualificado; Marco Antônio de Araújo (Marcão), proprietário da empresa Invictus Esportes – que recebia valores da FFMS para fornecer uniformes aos clubes: peculato; Luiz Carlos de Oliveira (irmão de Cezário): furto qualificado. Conforme a denúncia baseada nas investigações do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), o montante desviado pelo grupo de Cezário superou os R$ 6 milhões apurados inicialmente. Logo, apurou-se que os valores podem ultrapassar os R$ 10 milhões, segundo o Gaeco.

Ainda, na denúncia, o MPMS pede pagamento para reparação de danos no valor de R$ 20 milhões, sendo R$ 10 milhões para reparar os prejuízos causados à FFMS e o restante a título de danos morais coletivos.

Procurado pela reportagem, o advogado de defesa de Cezário, André Borges, comentou sobre a denúncia: “Defesa no momento está concentrada na obtenção da liberdade; logo adiante Cezário se defenderá e terá muito a dizer e comprovar”.

Se quiser receber notícias do Site MS NEWS via WhatsApp gratuitamente ENTRE AQUI . Lembramos que você precisa salvar nosso número na agenda do seu celular.


ÚLTIMAS NOTÍCIAS





















PUBLICIDADE
PUBLICIDADE