O crescimento gigantesco do patrimônio de uma pequena e recém-criada empresa chamou a atenção da Receita Federal e colocou a LD Construções LTDA na mira da Polícia Federal. A suspeita é de que construtura foi criada com a finalidade de participar e vencer a licitação do Aterro Sanitário de Campo Grande. A obra é uma das três que desencadeou, nesta quinta-feira (9), a Operação Lama Asfáltica.

A empresa, segundo o chefe da Receita Federal, Flávio Barros, em pouco mais de um ano, elevou o patrimônio em quase seis vezes, passando de R$ 6 milhões para R$ 35 milhões. O enriquecimento seria para atender cláusulas, classificadas pela operação como “injustificáveis”, para direcionar o vencedor da licitação.

“Exigiram o capital social e que a empresa tivesse o terreno para construir o aterro, com isso tiraram vários concorrentes da jogada”, comentou o delegado da Polícia Federal, Antonio Carlos Knoll.

O resultado foi a vitória da Solurb, formada pela LD Construções e Financial Industrial, para faturar R$ 1,3 bilhão no período do contrato de 25 anos. “Chamou a atenção que uma empresa nova e pequena, além de participar, venceu uma licitação bilionária”, afirmou o chefe da CGU (Controladoria Geral da União), José Paulo Barbieri.

A LD tem como sócio majoritário Luciano Dolzan, genro do empreiteiro João Alberto Krampe Amorim dos Santos, considerado pela operação o “cabeça” do esquema. Hoje a LD Construções, conforme dados da Receita Federal, tem patrimônio de R$ 46.778.363,00.

Ação Civil Pública – O caso também chamou a atenção do MPF (Ministério Público Federal), que instaurou Ação Civil Pública por atos de improbidade administrativa de oito pessoas e contra a Anfer Construções e Comércio LTDA, contratada no meio da obra do aterro sanitário por R$ 3.290.168,58.

O órgão reforça a suspeita de direcionamento e fraude na licitação, superfaturamento indevido na execução da obra e autorização ilegal de uso do aterro sanitário, causando dano à vida útil do aterro.

A ação cita, além da Anfer, o então prefeito Nelsinho Trad (PMDB), Antônio Fernando de Araujo Garcia, João Antônio de Marco, Taner Lobo Casak Batista, Aroldo Ferreira Galvão, Rogério Shinohara e Sérgio Romero Bezerra Sampaio.

Deflagrada nesta quinta-feira (9), a Operação Lama Asfáltica cumpriu mandado de busca e apreensão na casa de De Marco, ex-secretário municipal de Infraestrutura, Transporte e Habitação e foi até a Anfer e LD Construções. Também passou pela residência do empresário João Alberto Kramper Amorim e do assessor especial do Ministério dos Transportes, Edson Giroto.

A operação disse que perícia constatou que a lama do aterro sanitário foi feita com espessura abaixo da recomendada. Também estão na mira da investigação a pavimentação da MS-340 e de outra obra misteriosa, realizada em 2011. As três juntas somam R$ 45 milhões e deram prejuízo de R$ 11 milhões aos cofres públicos.

Questionado se Nelsinho Trad e o ex-governador André Puccinelli (PMDB), gestor na época da pavimentação da MS-340, estão entre os investigados, o delegado da PF indicou que, à princípio, eles não estão entre os alvos. “Não buscamos peças, buscamos apuração dos fatos”, comentou Knoll. "Se a apuração nos leva para essas ou aquela pessoas vamos agir para que tenham as consequências", emendou.

Quer receber notícias do Site MS NEWS via WhatsApp? Mande uma mensagem com seu nome para (67) 9 9605-4139 e se cadastre gratuitamente!


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE