O River Plate entrou para o seleto grupo de tricampeões da Libertadores. Na noite dessa quarta-feira (5), o time argentino conquistou o título ao vencer o Tigres por 3 a 0 no Monumental de Nuñez, em Buenos Aires.

Ao garantir o título da Libertadores apenas 50 meses depois do rebaixamento, o River superou Corinthians e Grêmio, que trilharam caminhos semelhantes antes das conquistas de 2012 e 1995, respectivamente.

O time paulista ergueu o troféu da Libertadores em julho de 2012, 55 meses depois da queda para a Série B do Campeonato Brasileiro. O Grêmio, por sua vez, foi rebaixado para a segunda divisão nacional em maio de 1991. O time gaúcho contou com uma virada de mesa para voltar à elite em 1993. Dois anos depois, levantou o troféu da Libertadores, em um total de 51 meses entre o descenso e o título continental.
No caminho até o tricampeonato, o River assegurou também os títulos da Série B (2012), do Campeonato Argentino (2014), da Copa Sul-Americana (2014) e da Recopa (2015).
 
A vitória sobre o Tigres começou a virar realidade ainda na primeira etapa, com Alario, de cabeça, aos 44 minutos. Na etapa final, o time do técnico Marcelo Gallardo conseguiu ampliar o placar, com Sánchez e Funes Mori. Com isso, o time repetiu a história das Libertadores 1986 e 1996, quando deu a volta olímpica no Monumental de Nuñez.
 
Agora, o River se junta no grupo de tricampeões que tem: Santos, São Paulo, Olimpia (Paraguai) e Nacional (Uruguai). O título que tem mais títulos é o Independiente, da Argentina, com 7.

FICHA TÉCNICA

RIVER PLATE 3 X 0 TIGRES
 
Data: 05/08/2015 (QUARTA-FEIRA)
Horário: 22h (de Brasília)
Competição: Libertadores
Local: Monumental de Nuñez, em Buenos Aires
Árbitro: Dario Ubriaco (URU)
Cartões amarelos: Alario, Mori e Cavenaghi (River Plate), Jiménez, Gicnac, Rivas e Torres Nilo (Tigres)
Gols: Alario, aos 44 minutos do primeiro tempo; Sánchez, aos 29, e Funes Mori, aos 33 minutos do segundo tempo.
 
RIVER PLATE: Barovero; Mayada, Maidana, Funes Mori e Vangioni; Carlos Sánchez, Kranevitter, Ponzio e Bertolo; Cavenaghi (Pisculichi) e Alario (Driussi). Técnico: Marcelo Gallardo.
 
TIGRES: Guzmán, Jiménez (Guerrón), Juninho, Rivas e Torres Nilo; Arévalo Ríos (Dueñas), Pizarro, Damm e Aquino; Rafael Sóbis e Gignac. Técnico: Tuca Ferretti.
Como foi o jogo

Primeiro tempo   

Cavenaghi, mo primeiro minuto, cruzou na área. A bola passou na boca do gol e assustou a defesa do Tigres. O time mexicano, no entanto, conseguiu segurar a pressão inicial e assustou o River aos 14 minutos. No lance, Gignac tocou para Rafael Sobis, que não conseguiu dominar a bola. Quatro minuts depois, Sobis cruzou bola na área após cobrança de falta. A bola quicou e ficou com o goleiro Barovero. Pouco depois, o Tigres quase abriu o placar: Damm escapou pela direita, invadiu a área e errou o passe para Gicnac. Aos 39, Cavenagui recebeu passe em pofundidade, mas viu o goleiro Guzmán sair e fazer a defesa. A um minuto do fim da etapa inicial, Vangioni fez ótima jogada pela esquerda e cruzou para Alario abrir o placar para o River.

Segundo tempo   

Com vantagem no placar, o River voltou para o segundo tempo com uma postura mais defensiva. Aos oito, Vangioni lançou a bola para o ataque, mas Guzmán saiu do gol e, na intermediária, afastou o perigo. No lance seguinte, Gignac avançu pela direita e arriscou de fora da área. A bola, entretanto, passou por cima do gol. Aos 15, o lateral Vangioni voltou a aparecer no ataque e cruzou com perigo na área. Nenhum atacante do River, porém, conseguiu concluir a jogada. Depois, Pizarro arriscou de longe para defesa tranquila do goleiro do River. Aos 22, o Tigres perdeu a melhor sua chance no jogo: Damm foi à linha de fundo, cruzou na área. Sozinho, Aquino cabeceou errado e mandou para fora. Sete minutos depois, o River definiu a partida em pênalti cobrado por Sánchez. Ainda sobrou empo para Funes Mori marcar de cabeça após cobrança de escanteio.

Destaques

Garantido

O River Plate já estava garantido no Mundial de Clubes deste ano. O América do México, campeão continental, será o representante da Concacaf. O time argentino também já tinha vaga na Recopa -- o adversário será conhecido no fim do ano, após o término da Copa Sul-Americana.

Suspenso   

Além do desfalque em campo (o atacante Mora, contundido, não jogou), o River não pôde contar com o técnico Marcelo Gallardo à beira do gramado. O comandante argentino estava suspenso por conta de uma expulsão na primeira final, no México.

Duas vezes   

Com o título, o River é o primeiro time a conquistar a Copa Sul-Americana e a Libertadores em um espaço tão curto de tempo. O time já havia conquistado um título continental em dezembro passado, ao bater o Atlético Nacional.

Festa em casa - Parte III

Nos dois títulos anteriores, o River também conseguiu fazer a festa no Monumental de Nuñez. Em 1986, o time venceu o América de Cali por 1 a 0 após bater os colombianos fora de casa (2 a 1). Dez anos depois, o confronto se repetiu. O River perdeu por 1 a 0 na Colômbia e garantiu o título ao fazer 2 a 0 em Buenos Aires.

Melhores

Alario, River Plate  

O herói do título da Libertadores 2015 conseguiu marcar o único gol da final. No lance, o atacante adiantou a marcação e desviou de cabeça para abrir o placar.

Vangioni, River Plate

O lateral esquerdo tornou-se uma das melhores opções de ataque do River na decisão. No primeiro gol, o jogador conseguiu se livrar da marcação antes de cruzar na medida para a conclusão de Alario.

Piores

Gignac, Tigres

O atacante francês, destaque do Tigres na semifinal, sumiu durante o jogo desta quarta-feira. Gignac conseguiu concluir apenas uma vez, em chute sem perigo de longe no primeiro tempo.

Quer receber notícias do Site MS NEWS via WhatsApp? Mande uma mensagem com seu nome para (67) 9 9605-4139 e se cadastre gratuitamente!


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE