Como disse no dia de sua apresentação à seleção brasileira, Kaká está se sentindo mais em casa do que nunca. Com três disputas de Copa no currículo e atuando no país que joga profissionalmente, o meio-campo assumiu o papel de embaixador da equipe nos Estados Unidos e conseguiu dividir a liderança e as atenções com Neymar, indiscutivelmente o melhor atleta do país.

Nos treinos, o jogador do Orlando City tem liderado as famosas "rodinhas" entre os convocados. No aquecimento antes da partida contra a Costa Rica, no último sábado, ele era um dos que puxavam a maioria das brincadeiras na roda de bobinhos entre os reservas. Dentro de campo, orienta e conversa com os companheiros.

Enquanto esteve no banco de reservas, ficou sentado o tempo inteiro ao lado de Neymar e, assim que foi aquecer atrás do gol da Costa Rica, causou furor. Quando chamado por Dunga para entrar em campo, ouviu aplausos e gritos da torcida.

Foi assim durante a semana inteira na concentração da seleção. Virou rotina ouvir o nome de Kaká como um dos mais gritados na saída do hotel para a rotina de treinamentos. A camisa roxa com seu nome atrás também era normalmente vista ao lado das camisas amarelas com o número 10 atrás.

Não é só nos torcedores que ele causa frio na barriga pela aproximação. Douglas Santos, um dos novatos, não conseguiu esconder a empolgação por compartilhar do mesmo ambiente do pentacampeão. Chegou a dizer que precisou abrir e fechar o olho duas vezes para acreditar que estava na mesma mesa do atleta.

Na imprensa, também atrai a atenção. Neymar ainda foi o que causou maior comoção, mas não muito à frente de Kaká. Nas palavras, o ex-melhor do mundo preferiu destacar a experiência, que é sua principal plataforma para ter sucesso nessa sua nova passagem.

"Já fiz parte de equipes com grandes nomes e que tiveram dificuldades e de equipes com menos nomes, mas mais fechadas e conseguiram resultados melhores. Jogar Eliminatória é difícil, eu já estive em outras e sei como é. Estou pronto para passar a minha experiência", destacou o camisa 20. "O Brasil precisa recuperar a credibilidade aos poucos, jogo e a jogo. E vencer a Costa Rica foi importante para isso", completou.

Dunga gostou da atuação de Kaká e o elogiou na coletiva de imprensa. O meio-campo mostrou variação tática ao atuar também pelos lados do gramado, como Dunga treinou durante a semana inteira. Foi dos pés dele que o Brasil criou uma das melhores oportunidades do segundo tempo, com belíssimo passe para Douglas Costa, vindo, justamente, da ponta direita.

Com a ausência de Neymar por causa da suspensão imposta pela Conmebol, a presença de Kaká na primeira lista no início da briga por uma vaga para Rússia 2018, para enfrentar Chile e Venezuela, ganha força, mas ainda não está garantida. Pelo menos publicamente.

Quer receber notícias do Site MS NEWS via WhatsApp? Mande uma mensagem com seu nome para (67) 9 9605-4139 e se cadastre gratuitamente!


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE