Vítima de escravidão tem pedido de indenização negado e filha pede acompanhamento da OAB

Neli ou Terezinha, como é conhecida, mora em um cômodo nos fundos do imóvel de uma família, que antes, ela pensava ser sua

| TOP MíDIA NEWS/NATHALIA PELZL


Crédito: Arquivo pessoal

A vida de Neli Terezinha de Souza Machado Rodrigues, 63 anos, que está correndo o risco de ser despejada após 57 anos de trabalho, em Campo Grande, não está nada fácil. 

Neli ou Terezinha, como é conhecida, mora em um cômodo nos fundos do imóvel de uma família, que antes, ela pensava ser sua. 

Com processo correndo na Justiça, a idosa teve outra decisão desfavorável. 

“De certa forma já esperávamos uma decisão deste tipo. Ela (juíza) não ouviu as testemunhas. O mais incrível que a parte contrária nem testemunha tinha. Levou parte interessada (um dos herdeiros) pra testemunhar contra a minha mãe. Houve cerceamento de defesa. Favorecimento da parte contrária”, lamenta a filha de Tereza, a professora Alessandra Machado Rodrigues.

A sentença desfavorável saiu no dia 14 deste mês e foi dada pela juíza do Trabalho substituta, Lilian Carla Issa. 

Na decisão, a magistrada pontua que existe vínculo afetivo entre as partes envolvidas. 

“Observa-se que a reclamante constituiu a sua família dentro da casa dos reclamados e que, atualmente, além dela e seu esposo, também coabitam a casa duas filhas da reclamante, seu genro e dois netos, sendo que uma dessas filhas é professora, possui dois imóveis, seu genro é advogado e, mesmo possuindo condições financeiras de residirem em outro local, optaram por ali permanecer, ao lado da reclamada”, pontuou. 

Para Alessandra, essa afirmação de que ela morava lá, é absurda. “É revoltante, eu saí muito triste no dia. Minha mãe está confiante. Acredita na justiça divina. E que ainda vamos ter o final que merecemos”, revela. 

Agora, Alessandra revela que optou, junto com o advogado, protocolar um pedido na OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) para que o caso seja acompanhado de perto, para que haja imparcialidade. 

Vaquinha virtual 

Com destino incerto, Alessandra decidiu se mexer para ajudar a mãe. Ela criou uma vaquinha on-line com objetivo de arrecadar dinheiro e construir uma casa para Neli.  Quem tiver interesse em ajudar, pode clicar aqui.

Quer receber notícias do Site MS NEWS via WhatsApp? Mande uma mensagem com seu nome para (67) 9 9605-4139 e se cadastre gratuitamente!


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE